Introdução Alimentar ParticipAtiva: uma alternativa ao BLW

Você acha o BLW lindo na teoria, mas acredita que não se adapta? Ou precisa deixar seu bebê com outros cuidadores que não se sentem seguros com o método? Se por algum motivo o BLW não se encaixa ao perfil da sua família, ainda assim é possível aproveitar muito da sua filosofia seguindo o método tradicional.

Lembre-se que a ideia central do BLW não é “dar comida em pedaços”, e sim permitir que o bebê tenha autonomia na introdução alimentar. Caso você opte pelo uso da colher, não caia na tentação de controlar o bebê, permita que ele seja agente ativo durante as refeições.

E se você decidir seguir o BLW somente nos momentos em que estiver com o bebê, oriente os outros cuidadores do seu bebê a não entrarem na ideia de prato limpo, colher perseguidora e afins. Para o bebê pode ser muito confuso ter controle do processo apenas em alguns momentos, é importante refletir sobre o que ele está aprendendo nesse processo.

Portanto, mesmo que você opte pelo método tradicional, é possível fazer uma Introdução Alimentar ParticipAtiva.

👆 Permita que o bebê participe ativamente da refeição, decidindo o que comer, quanto e como.

👆 Monte seu pratinho com os alimentos levemente amassados (e não triturados), mas separados, para que ele possa reconhecer cada um deles.

👆 permita-o tocar e manipular os alimentos se ele demonstrar interesse.

👆 Ajude-o a comer, mas fique atento aos sinais de fome e saciedade.

👆 Não tenha pressa, seja paciente, incentive-o a comer mas não force nunca.

👆 Aceite as recusas, teste outras combinações e texturas, mas não insista. Também não deixe de oferecer, é normal o bebê passar por fases de recusa e não sabemos quando terá interesse pelo alimento recusado.

👆 Evite distrações (e jamais as utilize como truque para fazê-lo comer), é importante o bebê se concentrar no que está fazendo.

Portanto, não se prenda a regras rígidas, observe seu bebê, siga seu coração e adapte seus conhecimentos à sua realidade.

0 Comentários para "Introdução Alimentar ParticipAtiva: uma alternativa ao BLW"

    Deixar comentário

    Seu e-mail não será publicado.